Rap E Liberdade De Expressão

Eu resolvi escrever um pouco sobre música aqui no blog, que é uma coisa que eu amo tanto quando moda e sinto falta de comentar sobre isso aqui.

O que eu vou escrever é minha opinião pessoal. Muitos tipos de arte são descriminadas, e isso me irrita, mas vou falar específicamente sobre rap, que é meu estilo musical favorito, dar minha opinião sobre sobre as letras polêmicas e sobre liberdade de expressão.B-RabbitEu escuto todo tipo de rap, dos mais pop aos old school, dos politicamente corretos aos incorretos, mainstream e underground. Eu sou muito mente aberta, em relação à tudo. Dependendo da sua visão, você pode achar que existem letras homofóbicas, que fazem apologia à drogas, violência, que degeneram a imagem da mulher, “músicas do mal” e etc. E realmente existem, mas em algumas das vezes isso é tudo mal interpretação.

Por exemplo, NWA rimava sobre violência, gangues e coisas do tipo. Eles estavam falando sobre o que viam e viviam todos os dias, dentro e fora de casa, e não glamourizando o mundo do crime nem nada do tipo. Eminem é muito criticado pelas coisas que escreve, ele já deu algumas entrevistas explicando o por quê de tanta violência nas letras:

As pessoas não me conhecem, elas não sabem quem eu sou de verdade e por que eu falo as coisas que falo. O que eu realmente estou fazendo é pegando as merdas que estão erradas no mundo e fazendo piada disso. Muitas pessoas escolhem ignorar o que está errado no mundo… Pobreza, falta de moradia, violência, estupro e toda essa merda. Eu visto isso, entendeu? E é por isso que um monte de gente não gosta de mim.”

Eu acredito muito na liberdade de expressão, censura é uma coisa que eu destesto. Eu acho muito ridículo quando os pais querem fazer o artista parar de cantar o que ele está cantando ou fazer o que está fazendo por que vai influenciar a cabeça do seu filho de 6 anos. Não estou dizendo que não influência, mas você tem que educar seus filhos. Se ele escuta músicas ou ver coisas na TV sobre matar, roubar e usar drogas, ele também tem que saber sobre dor, sofrimento, o que é cadeia e as consequências dessas ações. Porém digamos que um indivíduo matou alguém e ele escutava “música violenta”, a culpa não é do artista, a pessoa que matou não é normal, essa pessoa tem problemas. Abaixo vou deixar 3 músicas que falam um pouco sobre esse assunto.

When The Music Stop do D12 é sobre não confundir hip-hop com realidade quando a música acaba. No verso do Bizzare (o último) ele está confuso e fala sobre o que já fez por influência de músicas. No final ele pega uma arma para se matar, mas som para e ele percebe a realidade.

Para deixar claro, tudo o que ele fala que fez nessa música não é real. É apenas um verso inteligente para passar a mensagem que ele queria.

No 2° verso de The Way I Am, Eminem fala sobre o massacre de Columbine, e como a mídia jogou a culpa da tragédia no Marilyn Manson.

Stan é provavelmente a música que mais vai simplificar o que eu expliquei acima. Vou deixar o vídeo legendado, ele fala por si só.

Obviamente você não é obrigado a ter o mesmo gosto que eu tenho, se você se sente ofendido por esse tipo de música, não escute, mas também julgue. E para quem gosta, não repitam isso em casa, crianças!!!

Ser Você Mesmo, Nunca Esteve Tão Na Moda

cocoEis que a frase de Coco Chanel – a moda passa, o estilo permanece – tem ganhado força, não sei se é apenas impressão minha, mas sinto que cada vez mais as mulheres estão querendo se libertar e buscando para si sua própria voz.

Creio que muitas pessoas do lado de fora da indústria, ainda tenham o preconceito antigo da padronização descabida que a moda leva, o que infelizmente acaba sendo uma realidade se olharmos por outro lado. Lembro-me de ter assistido o documentário “The September Issue” – que mostra a produção da edição de setembro da Vogue americana – e a Anna Wintour comentar, que as pessoas temem a moda, pelo fato de que a moda as assustam ou as fazem se sentir inseguras, então a rejeitam. Imagina você gostar de rosa, em um mundo onde todos preferem azul?

Nesse momento eu vejo que tudo depende do nosso ponto de vista e de como nos sentimos em relação a nós mesmos. Entenda, moda é algo que você pode adequar a seu estilo, bem diferente de mudar seu estilo por causa da moda. Todos nós, com um tempo, aprendemos o que é ter personalidade. Quem você é? O que te define? Isso é algo, que nem de longe, se compra em uma loja Chanel ou venha como informação na Vogue. E quando estamos cientes disso, qualquer tipo de alienação é singela.

O que vocês pensam sobre isso? Me contem. Beijinhos!

Bailarina Mood

balletbeautiful-2.jpgOi pessoal, eu Eduarda Guilherme, colunista aqui do blog, resolvi compartilhar um coisa bem legal com vocês e quem sabe até ajudar quem tem dúvidas na medida do possível!

No começo do ano comecei a fazer ballet, só pra constar que eu NUNCA tinha feito (tenho 16 anos), era SUPER sedentária e postura nota ZERO. Eu já tinha vontade de fazer, então pra mim é uma realização, o que o torna ainda mais cativante. Mas nem tudo é uma mar de tutus, apesar de ser lindo, prazeroso e divertido, hoje posso dizer, nas poucas aulas que tive, que o ballet requer esforço e disposição pra continuar praticando mesmo “arrebentada”.

Com essa “história de ballet” a gente acaba se deparando com meninas/mulheres que tem vergonha, às vezes pela idade e até mesmo por causa da roupa… Meu conselho é não deixar que o medo ou a vergonha vençam, eu já deixei de fazer muitas coisas por causa disso. Lembro que quando eu comentei que queria fazer ballet algumas pessoas riram por causa da minha idade, outras no entanto me deram apoio, não vou negar que no final isso acaba me impulsionando!balletbeautiful-1.jpgMas podem ter certeza quando a gente faz algo que gosta, isso pouco importa, porque a felicidade só de imaginar os passos saindo certinhos, o prazer de fazer alongamentos, a primeira sapatilha de ponta, ver as bailarinas dançando e imaginar quando chegar a sua vez, isso não tem preço, só quem é bailarino entende!

É como minha mãe diz, é difícil mas não é impossível, para os leitores que tem medo pela idade, ficam pensando no que as pessoas vão dizer ou até mesmo falta força de vontade, não percam o tempo que vocês estariam gastando em fazer ballet com besteiras. And let’s ballet!

Ps: Nas fotos Mary Helen Bowers, famosa por suas aulas de ballet, possuem clientes como Lauren Santo Domingo, Alexa Chung e Indré Rockefeller entre outras. Vale a pena seguir o insta @balletbeautiful muitas fotos fofas e inspiradoras. Para mais informações visitem o site dela, o link está na bio do IG.